segunda-feira, 18 de junho de 2012

UM DIA POR SEMANA SEM CARRO

Estava eu procurando algumas imagens para fazer uma matéria sobre os ciclistas que costumam pedalar em grupo, quando encontrei o site  http://www.samshiraishi.com/como-deixar-de-depender-do-carro/  com o seguinte questionamento.

Você já pensou como traçaria uma estratégia real para reduzir o uso do carro?


Achei a matéria muito interessante e pertinente para o nosso tempo.
Na reportagem, Sam Shiraishi comenta que leu algumas dicas as quais seguem:
    -Planeje seus deslocamentos;
    -Percorra distâncias curtas a pé ou de bicicleta;
    -Utilize transportes coletivos pelo menos um dia por semana para ir ao trabalho;
    -Prefira meios de transportes limpos aos poluentes;
    -Quando utilizar o carro, dirija com economia;
    -Prefira automóveis com motores movidos a álcool (combustível menos poluente do que a  gasolina).

Depois destas mudanças, servindo já de exemplo vivo de que é possível mudar, podemos começar a atuar de forma cidadã, cobrando das autoridades públicas de nossas cidades medidas que facilitem esta troca para um grande número de pessoas. São mudanças que terão grande valor para toda comunidade:
Renovação/expansão da frota e capilaridade dos sistemas de transportes coletivos (como ônibus, metrô e trem); Criação/expansão de ciclovias nas cidades; Aluguel de bicicletas públicas; Criação de bicicletários (estacionamentos públicos de bicicletas) em pontos estratégicos.
Certamente algumas ações não cabem a nossa cidade, mas a maioria sim.
E você, já pensou em reduzir o uso do seu carro tendo como alternativas o transporte coletivo, a bicicleta ou carona coletiva (com outros amigos do serviço) ou mesmo realizando uma caminhada?
Tente, experimente, saia na frente!
Nossa cidade (Itajaí-SC) é totalmente plana o que facilita tanto a caminhada quanto o deslocamento de bicicleta.
Você já observou quanto tempo você leva e qual a distancia para chegar de carro até o seu trabalho?
Faça a experiência de, um dia por semana deixar o carro em casa, e opte por ir de ônibus, ir de bike ou ir a pé. Se a distancia for longa para ir a pé, intercale com um trajeto de caminhada e o restante de ônibus.
Mas dai vem os questionamentos. 
Em Itajaí o transporte coletivo não convence. 
As ciclovias não são conectadas. 
Os motoristas estão estressados e não respeitam os ciclistas e pedestres.
Então ai entrará as nossas reivindicações, por um melhor sistema de transporte coletivo, por mais ciclovias e conexões entre elas e pela NOSSA melhoria de conduta enquanto motoristas.
"Comece agora, comece por você" 
Tente, invente, seja diferente. Certamente você mudará seus conceitos.
Vá treinando, dia 22 DE SETEMBRO comemoraremos mais um "Dia Mundial SEM CARRO".
Nós só temos este planeta para viver, não existe outra opção, ou você vive nele ou não vive. Então procure viver da melhor forma possível, tanto para você quanto para os demais.
Se todos pensarem assim, tudo será melhor.

quinta-feira, 14 de junho de 2012

UM EXEMPLO A SER SEGUIDO

Só precisamos de uma infraestrutura boa e segura.
É fácil fazer planos e estabelecer metas,
o difícil é tomar as decisões que tornem possível
atingir essas metas.
Ciclovias é economicamente viável e vantajoso.
É possível, é bom para a saúde de quem pedala
e para a cidade.
Ciclomobilidade, uma opção barata e vantajosa
para evitar o caus no transito.



Seria ruim o uso da bike nos dias de chuva?????
E o que diríamos de pedalar com neve

QUER SABER O QUE O SECRETÁRIO GERAL DA ONU, BAN KI-MOON ( o advogado mundial das bicicletas), DISSE SOBRE A BICICLETA PARA A RIO + 20, clique aqui e leia a matéria publicada na gazetadopovo.com.br/blog

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Ciclovias e Ciclofaixas em Itajaí


Itajaí é uma cidade 100% plana, o que facilita totalmente à mobilidade ciclística.
Hoje temos somente 17 km de ciclovias e ciclofaixas em nosso sistema viário, mas totalmente esparsos. Necessitamos, sem medo de errar, de mais 40 km destas vias para possibilitar a integração de toda a cidade e fazer uma malha de ciclovias e ciclofaixas eficientes e assim fazer com que mais pessoas usufruam desta melhoria.
Necessitamos urgente de uma política voltada à mobilidade ciclística para que no futuro não venhamos a sofrer com os congestionamentos intermináveis de carros, que levam os motoristas a um estresse constante.
Certamente só o uso da bicicleta não irá resolver o problema dos engarrafamentos, outras atitudes deverão ser tomadas para minimizar este problema futuro, o qual já se faz presente em nossa Itajaí.
Um melhor e mais eficiente sistema de transporte público, pois somente assim poderá virar uma opção de substituição aos automóveis.
De acordo com uma pesquisa realizada pelo Instituto Mapa a pedido da RBS TV, mostra que Itajaí tem um problema no transporte público, pois nos dias em que não chove, o transporte é suficiente, mas nos dias de chuva, este vira um caos, pois não comporta a demanda.
Assim podemos perceber que somente construir ciclovias, não resolverá o problema da mobilidade em nossa cidade.
Uma proposta eficiente, bem elaborada, com estudos bem aprofundados de nosso transito é que poderá vir a ser construído um projeto concreto para uma reformulação viária para Itajaí. Certamente neste projeto, não poderá deixar de existir uma campanha educativa eficiente e constante. Somente assim, teremos uma mobilidade consciente onde automóvel, motocicleta, transporte coletivo urbano e bicicleta possam fluir em nossas vias e conviver pacificamente.
Muitos têm a bicicleta como o seu único meio de transporte. A esses, as ciclovias serão de fundamental importância para a sua locomoção segura. Mas com o incremento dessas vias ciclísticas, que trarão mais segurança no transito, muitos outros surgirão tendo a bicicleta como sua segunda opção de transporte que é econômico e rápido e não poluente. E isso é notório já que Itajaí, por ser uma cidade plana, favorece em muito a esta modalidade. Mas e nos dias em que o tempo (clima) não favoreça ao transporte ciclístico. É ai que entra a melhoria no transporte coletivo. Certamente assim como alguns optaram para a mobilidade ciclística com a melhoria das vias específicas, outros estarão migrando para o transporte coletivo, caso esse melhore substancialmente sua qualidade e eficácia. Somente desta forma é que teremos ruas mais limpas, menos congestionadas e com pessoas indo e vido em seu real tempo e certamente mais tranquilas que hoje.
Com a quantidade de pessoas que se locomovem em seus variados meios de transporte, não podemos deixar que todos passem por uma mesma via, temos que dar opções de caminhos diferentes para que tudo flua favoravelmente.
As pessoas que estão pensando em se candidatar para uma administração pública municipal tem que se preparar, não só para esta eleição, ou para os seus quatro ou oito anos de mandato, mas sim enxergar em um projeto, o seu uso e prever sua estagnação e que isso não aconteça ao final de seu mandato, pois o que eles hoje realizarem deverá ser eficaz por décadas.
E como isso poderia ser resolvido? Ora!!! Não vou eu querer ensinar o Padre a rezar a missa. Mas com um trabalho sério realizado por técnicos, engenheiros e pessoas gabaritadas olhando a cidade e pensando no hoje e no futuro, sem idealismo partidário, mas pensando no povo e na melhor mobilidade para estes, não tenho dúvidas que uma excelente solução sairia.
Acredito que aqueles que se propõem a uma candidatura, principalmente ao executivo, certamente já teve esta intenção, no mínimo, há quatro anos passados. Tempo que acredito suficiente para traçar um planejamento concreto para as necessidades do município.
Assim, deixo aqui mais uma vez a pergunta àqueles que estarão concorrendo ao próximo pleito.
O que vocês têm de proposta concreta para minimizar, em Itajaí, o problema do transito em todas as modalidades da mobilidade?

quarta-feira, 6 de junho de 2012

E a Eleição na Mobilidade Ciclística ?

Esta Entidade surge em Itajaí, não simplesmente como mais uma, mas uma que busca reivindicar, não só os seus direitos como Associação, mas prover seus deveres como tal. 
Busca também os direitos de seus associados e mostrar os deveres destes e também de todos aqueles simpatizantes e todos os demais que poderão ser beneficiados com nossas ações. E neste caso acreditamos que sejam muitos.
Itajaí é democrática e mostrou isso nas urnas, pois vários são os partidos que administraram nossa casa ao longo dos anos. Mas dai pergunto. - O que estas administrações fizeram para a harmonização da mobilidade no município? 
E quando falo em harmonização da mobilidade, falo em um conjunto de ações para automóveis, transporte coletivo, ciclistas e pedestres.
Temos visto nossas ruas entupidas de carros, principalmente nos horários de entrada e saída do trabalho. 
O governo federal dá incentivo para a industria automobilística e ai é que aumenta o caus, mas também tem seus benefícios. 
Se a partir de hoje, não fosse mais vendido carros, o problema dos congestionamentos continuaria! 
O que o governo federal tem feito para a industria ciclística ? 
Porque não incentivar a venda com redução de IPI para as bicicletas e peças ?
Porque os municípios investem tão pouco na mobilidade ciclística ?
Por que vimos tantas bicicletas presas em grades e postes no centro de nossa cidade ? 
Onde estão os paraciclos ? (estacionamentos de curto prazo). Existem alguns feitos pelo município e outros acanhados feitos pelas empresas.
Onde estão os bicicletários ? (estacionamentos de longo prazo com infraestrutura apropriada) 
Temos visto que Itajaí tem feito alguma coisa em relação a mobilidade ciclística, mas ainda é muito acanhada. 
Fizemos uma revisão das ciclovias e ciclofaixas de Itajaí, o qual realizamos filmagens e pudemos presenciar o abandono de muitas delas.
Sinalizações horizontais apagadas, o que possibilita ao motorista usá-las como estacionamento (como foi presenciado). 
Falta de sinalização vertical, falta de tachões limitadores.
Vimos que onde havia a calçada compartilhada, (ciclistas e pedestres) hoje por obras recentes nessas calçadas, elas já não mais existem !
Vimos muitos pedestres circulando pelas ciclovias e ciclofaixas e também muitos ciclistas transitando fora dela. 
Observando a ciclovia da Av: Nilo Bittencourt, percebemos que os pedestres andam na ciclovia, por que existem poucas calçadas pavimentadas fazendo com que, ou eles andam na estrada, aumentando o risco, ou eles andam na ciclovia.
Percebemos que as ciclovias e ciclofaixas não são conectadas e algumas se acabam e deixam o ciclista ao Deus dará. Como o caso da Rua: Cônego Thomaz Fontes que ao chegar à Rua: Silva se sente perdido para atravessar para o outro lado. Muitos entram na contramão da via, pois o tempo do semáforo não possibilita a transposição para a calçada do Porto, a qual acredito que exista ali uma calçada compartilhada, pois o pavimento é bicolor e na parte junto a estrada é da cor vermelha, o que, ao meu ver, seria uma via para ciclista. Ou estou enganado! Se eu estiver correto, ali está faltando sinalização.
Quanto aos semáforos, estes estão ultrapassados, (como tudo o que é feito para a mobilidade atual), ou melhor, são destinados somente aos carros. Muitos de nossos semáforos faltam indicações para ciclistas e pedestres.
Na área central da cidade existem sim indicações para pedestre nos semáforos, mas é nessa área que existe o maior fluxo de ciclista. O ciclista sem a informação necessária, ultrapassa no sinal fechado, o que não é correto.
Vi em Itajaí, somente dois semáforos com indicação de ciclistas, o da Rua: Carolina Vailatti, esquina com a Rua: Indaial e o da Rua: Heitor Liberato esquina com a Rua: Alberto Werner. Se esqueci de algum, que me corrijam.
Vimos motociclistas transitando pelas ciclovias e na Rua Almirante Barroso por falta dos tachões, já virou corredor de moto.
Tenho certeza que uma fiscalização constante e uma boa campanha educativa minimizaria estes fatos, mas precisa ser séria e constante. De nada adiantará fazer só na semana do transito. Também não adianta minimizá-las na época de campanha política, (por não ser de bom tom tomar certas atitudes mais austeras) pois isso ocasionaria a descrença nas ações e nos objetivos pretendidos.
Temos em Itajaí pouco mais de 17 km de vias destinadas a mobilidade ciclística (ver imagem abaixo). Muito pouco para uma cidade que tem características excelentes para esta mobilidade, pois é totalmente plana.
Itajaí tem condições de harmonizar o transito e acrescentar tranquilamente mais de 40 km de vias para ciclistas (ciclovias, ciclofaixas e calçadas compartilhadas). Essa ação viabilizaria a integração entre toda a cidade e conectaria as vias ciclísticas hoje existente. Com um plano de implantação organizado e sistematizado, certamente em um só mandato (quatro anos) certamente poderia ser posto em prática. Basta para isso vontade e planejamento. Verbas existem.

A Associação aqui representada quer saber dos representantes do povo:

Quais as ações que vocês realizaram para harmonizar o transito entre o transporte coletivo urbano, automóveis, ciclistas e pedestres neste mandato?
E quanto ao artigo 201 do Código de Transito Brasileiro. Alguma vez o Codetran já fiscalizou a conduta dos motoristas para o respeito com relação a este artigo?
Alguém já foi autuado por descumprimento deste artigo? 

Para aqueles que concorrerão ao novo pleito:

Quais as propostas concretas que vocês, como candidatos, terão para apresentar como programa para a mobilidade, principalmente a ciclística?
O que tem sido feito ou debatido sobre a Lei da Mobilidade Urbana - 12.587

Estaremos aguardando as respostas e propostas.